terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Feliz Natal


A biblioteca escolar deseja um Bom Natal e boas leituras a toda a comunidade!

Campanha "Boca Doce" no Agrupamento


Sob a orientação da professora Vera Esteves, a comunidade escolar recolheu doces, para oferecer aos utentes do lar da Fundação Nossa Senhora da Esperança, em Castelo de Vide. Os alunos de EMRC fizeram cartazes e folhetos que estiveram expostos na BE.
Às dezassete horas do dia 17 de Dezembro, um grupo de alunos do Agrupamento foi à Fundação, cantou canções de Natal e ofereceu os doces aos idosos.
Como agradecimento, os responsáveis por essa instituição ofereceram castiçais feitos pelos utentes.
Foi um momento muito bonito.

sábado, 19 de dezembro de 2009

Histórias de Natal

Agora que estás de férias, vais ter mais tempo para ler.
No blogue "Preparando o Natal" vais encontrar muitas histórias.
Clica em http://preparandonatal.wordpress.com/espirito-de-natal/
e vais passar momentos muito agradáveis!


Na secção "Leituras" , na barra lateral do nosso blogue, está o link que te levará a esse interessantíssimo blogue . ---------------------------------------------------------------->

Novidades na nossa biblioteca!!





A nossa BE também recebeu muitas prendas de Natal que, em breve, estarão ao dispor de toda a comunidade. De entre os muitos documentos que adquirimos, seleccionámos apenas estes:

DVDs:
Madagáscar 2
Crepúsculo
Caixa Winxs club - 3ª série completa
Up - altamente
Especial de Natal Angelina Bailarina
Carros

Para os mais pequeninos:
Orelhas de Borboleta
Um dia na praia
Pê de pai
Quando eu nasci
A girafa que comia estrelas
Três semanas com a avó
O limpa-palavras e outros poemas

Para os alunos dos 2º e 3º ciclos:
Milla e Sugar - Bruxa + fada
As fadas e o feitiço do fogo
Aniversário de Astérix e Obélix
Harry Potter e os Talismãs da morte o sol
Vários livros da colecção "Geronimo Stilton"
Vários livros da colecção "Feras e Heróis "
Vários livros da colecção “Chamo-me…”

Para os adultos:
Caim
A fúria Divina
A melodia do Adeus
A terra das ameixas verdes

Para quem se interessa por música:
Atlas de música I e II
Instrumentos Musicais
O resto é ruído - à escuta do século XX

Para quem se interessa por arte/pintura:
Arte conceptual
Arte abstracta
Impressionismo

Esperamos pela vossa visita!

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

A nossa BE - local de trabalho e de lazer


Palavras para quê?





Concurso literário "Se eu fosse o Pai Natal..."

O Departamento Curricular de Línguas e a BE/CRE dinamizaram, durante o mês de Novembro, o concurso literário "Se eu fosse o Pai Natal...", para as turmas dos 2º e 3º ciclos.


Os alunos participaram em grande número, apresentando trabalhos muito originais.
Os premiados do 2º Ciclo foram:

1º prémio - Bernardo Gonçalves, 5º A
2º prémio - Luís Galão, 5º A
3º prémio - Maria Cruz, 5ºA

Quanto ao 3º Ciclo:

1º prémio – Diogo Gaio Chaves, 7º A
2º prémio – Mafalda Grilo, 9º B
3º prémio – Filipe Viegas, CEF - IRC


A entrega dos prémios realizou-se ontem, na BE/CRE.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Articulação entre a BE, o Centro de Novas Oportunidades e o PNL





O Agrupamento de Escolas de Castelo de Vide aderiu ao projecto Novas Oportunidades a Ler+ , no âmbito do PNL e da Agência Nacional para a Qualificação (ANQ), destinado a apoiar o desenvolvimento do gosto pela leitura, junto do Público adulto dos Centros de Novas Oportunidades e, através destes, junto dos seus círculos de familiares e de amigos. As actividades, a realizar ao longo deste ano lectivo, foram planificadas em estreita colaboração entre o CNO e a BE do Agrupamento.
A primeira actividade realizou-se no dia 14 de Dezembro e consistiu numa sessão de leitura para os alunos do 4º B. A D. Deolinda Santos aceitou a proposta que a professora bibliotecária fez e leu o conto "Mistérios de Natal", de Alice Vieira, à turma do seu filho.
Os alunos ouviram a história com muita atenção, responderam acertadamente às perguntas que foram feitas e, no final, manifestaram o seu contentamento pela actividade.

O Natal na biblioteca do Pré-Escolar e 1º Ciclo




Natal é tempo de Solidariedade e Partilha, mas também é tempo de mostrar respeito pela natureza e preocupação pela defesa do Planeta Terra.
Por isso, os meninos do pré-escolar e do 1º ciclo assistiram à apresentação de "Gui e o Natal Verde no Planeta Azul" e, inspirados nesta história, construiram um Brinquedão.
Nele estão a recolher brinquedos usados, mas em condiçoes de serem utilizados por outros meninos.
O produto desta iniciativa será destinado a instituições de caridade.
Colabore connosco, entregando o seu brinquedo na Biblioteca do Pré-Escolar e 1º Ciclo.

Hoje aprendemos uma história
E com ela a ajudar…
Vamos trazer brinquedos
E outros meninos vão brincar.
PRÉ – ESCOLAR A - CASTELO DE VIDE

VAMOS TRAZER BRINQUEDOS
E PÔR NO BRINQUEDÃO
A AJUDAR O PAI NATAL
DAMOS COM O CORAÇÃO
PRÉ – ESCOLAR B - CASTELO DE VIDE

Bom Natal, amigo Gui
Vamos fazer como tu dizes…
Trazemos os nossos brinquedos
Tornamos meninos mais felizes
1º Ano – E.B.1 - CASTELO DE VIDE

Viemos à Biblioteca da escola
Ouvir a história do Gui e do brinquedão
Vamos também dar brinquedos
Do fundo do nosso coração
2º Ano – E.B.1 - CASTELO DE VIDE

BRINQUEDÃO, BRINQUEDÃO
PARTIR E REPARTIR
ESTÁ NA TUA MÃO
E DAR É A TUA FUNÇÃO.
3º A – E.B.1 de Castelo de Vide

À BIBLIOTECA VIEMOS
APRENDER A RECICLAR
DESTA VEZ SÃO OS BRINQUEDOS
VAMOS DAR PARA AJUDAR
4º ANO A - EB1-CASTELO DE VIDE

COM O GUI APRENDEMOS
MAS NÓS JÁ SABÍAMOS,
POR ISSO FAZEMOS O NATAL
ONTEM, HOJE, TODOS OS DIAS…
4º ANO B - EB1- CASTELO DE VIDE

“BRINQUEDÃO”
Iniciativa do Pré-Escolar e 1º Ciclo
Agrupamento de Escolas de Castelo de Vide

O Natal no nosso Agrupamento







Os professores e alunos de EVT e do Clube de Artes expuseram, no átrio da BE/CRE uma original árvore de Natal, um belo presépio e cartões de Natal lindíssimos. Parabéns a todos os artistas!

Natal

Enquanto a chuva
Escorrer da minha vidraça
E furar o telhado
Daquele farrapo de homem que além passa
Enquanto o pão
Não entrar com a Justiça
Lado a lado
Mão a mão
Nem Jesus vem
Andar pelos caminhos onde os outros vão
Um dia
Quando for Natal
(E já não for Dezembro)
E o mundo for o espaço
Onde cabe
Um só abraço
Então
Jesus virá
E será
À flor de tudo
O Redentor
Universal
(Quando o Homem quiser
Será Natal)

Manuel Sérgio

Frase do mês de Dezembro

“Não faças da tua vida um rascunho, pois pode não haver tempo de o passares a limpo.”
André Rossato


Actividades de Animação da BE/CRE
Departamento de Ciências Sociais e Humanas
E.M.R.C. - 6ºA e B

Concurso "Uma aventura literária...2009"



Os alunos do nosso Agrupamento vão participar no concurso "Uma aventura literária...2009", promovido pela Editorial Caminho.

O regulamento pode ser consultado no site "Uma aventura".

Há cinco modalidades para concorrer. A equipa da BE deseja boa sorte a todos os concorrentes!

Feira do livro e dos minerais



A Feira do Livro e dos Minerais do nosso Agrupamento decorreu entre os dias 23 e 27 de Novembro de 2009, na Biblioteca Escolar/Centro de Recursos.
A Feira do Livro foi organizada pela BE/CRE, com a colaboração do Departamento de Línguas. O Departamento de Matemática e Ciências Experimentais encarregou-se da Feira dos Minerais.
A feira esteve aberta das 9h às 16h45 (de segunda a quinta-feira) e das 9h às 13h (sexta-feira).
Os visitantes puderam comprar livros, minerais, fósseis, anéis, colares, pulseiras e muitas outras surpresas.
Boas leituras, a todos!

Memória

Chove.
Mas, afinal, já chove há muitos anos...
O mundo dos meus pés nunca se move
Sem chuva, tristeza e desenganos...

Apesar disso,
Lembro-me perfeitamente bem
Do luminoso sol de certo dia...
Um lindo sol que doirava
Num toco que rebentava
Uma folha nascia.

Miguel Torga

Frase de Novembro


“A distância pode causar saudades, mas nunca o esquecimento.”
Roman Rolland

Actividades de Animação da BE/CRE
Departamento de Ciências Sociais e Humanas
E.M.R.C. - 6ºA e B

TARDE DE HALLOWEEN




Uma festa animada

No dia 28 de Outubro, houve uma tarde de Halloween, organizada pelos alunos da turma B do 8º ano. Ao som da música Thriller, de Michael Jackson, os apresentadores Mafalda Santos e Luís Iria deram início ao concurso de máscaras.
Vampiros, bruxas e múmias desfilaram perante um júri, composto por duas professoras, uma funcionária e uma aluna, ante os olhos de um público exigente.
A professora bibliotecária surpreendeu os presentes quando, extra-concurso, apareceu disfarçada de Múmia da Biblioteca, associando-se, mais uma vez, à concretização do evento.
O vencedor deste concurso, com o seu fato de bruxa, assustou os espectadores e ganhou o primeiro prémio.
Para o concurso de abóboras, houve seis participantes que as decoraram das mais variadas formas, tendo sido eleita a abóbora do aluno Rodrigo Rouqueiro.
O cenário montado no átrio da BE/ CRE foi elaborado pelos alunos do segundo ciclo nas disciplinas de EVT e Inglês e pelos alunos do terceiro ciclo com a ajuda das professoras de Inglês.
Fica aqui o nosso aplauso a todos os participantes e a todos os que organizaram esta actividade.

Mariana Gavetanho e André Abrantes, 5º B

Palestra "Filhos que lêem, filhos felizes..."





No dia 29 de Outubro, pelas 18horas, recebemos a visita do Dr. Alfredo Leite (Psicólogo Educacional do Projecto "Mundo Brilhante"), que fez uma sessão de sensibilização à leitura destinada a pais.
Agradecemos à Câmara Municipal da Castelo de Vide e à Junta de Freguesia de São João Batista por terem financiado esta actividade.
Agradecemos, também, à Drª Isabel Carita, mãe de um aluno do 5º ano, por ter escrito o seguinte texto que tão bem resume tudo o que foi dito:
"Crianças que lêem são crianças felizes
Segundo o psicólogo Dr. Alfredo Leite, a leitura não só torna as crianças mais felizes como aumenta, a longo prazo, a possibilidade de virem a ser ricas.
Como assim? A leitura desenvolve-lhes os conhecimentos da língua e do mundo. Conhecimentos que aumentam as suas capacidades e os qualificam para um melhor desempenho de qualquer actividade.
7 aspectos a ter em atenção
1) O seu filho sabe qual é o livro favorito do pai e/ou da mãe?
Mostre ao seu filho que também lê e fale com ele sobre esse livro favorito e diga porque é tão especial.
2) A hora do conto? Alguns de nós ainda somos do tempo em que, ao serão, avós, pais ou vizinhos contavam histórias de encantar.
Não sabe contar histórias? É só contar, por exemplo, a história das novelas ou, ainda melhor, a história do AMOR entre o pai e a mãe ou a história de quando o seu filho era bebé.
O mais importante é que você e o seu companheiro aproveitem o tempo para estar e falar com os vossos filhos!
3) A biblioteca da família
Se não têm uma, podem começar a construí-la. Uma biblioteca pode ser uma prateleira com três livros. Os livros devem ser estimados e diga ao seu filho que esses livros que agora são dele, um dia, hão-de ser dos filhos dele. Estamos quase no Natal. Um livro é um excelente presente e nem é muito caro!
4) SPA (Síndrome do Pensamento Acelerado)
Este é um grave problema crescente, entre as crianças e adolescentes. É provocado, em grande parte, pela visão prolongada de televisão, de jogos de vídeo, internet, etc. O problema aqui não é o que eles vêem, mas a própria imagem que vibra em continuação e afecta uma parte do cérebro (o córtex). O resultado é haver cada vez mais crianças irrequietas, que não se conseguem concentrar, irritáveis e que já acordam cansadas, acabando por ter problemas de aprendizagem, entre outros.
  • Retire a TV do quarto dos seus filhos!
  • Um dia por semana, não acenda a televisão em casa!

5) O livro é pessoal. Faça dedicatórias bonitas (uma frase, um desenho) nos livros que der ao seu filho. Assim, o livro ainda será mais especial.

6) Família <---> Escola

Não fale mal nem da escola, nem dos professores, nem dos funcionários, à frente do seu filho. Muito pelo contrário, mostre-se POSITIVO. A crítica que tiver em relação aos serviços educativos deve ser feita em particular, sem que o seu filho esteja presente. Não somos inimigos - somos parceiros e todos somos EDUCADORES.

7) Como pode brincar com o seu filho e motivá-lo para a leitura:

  • Recitar poemas
  • Escrever uma história em família
  • Ilustrar essa ou outra história
  • Ler em família
  • Fazer um concurso de adivinhas
  • Brincar aos teatrinhos
  • Recontar histórias
  • Ler artigos de jornal ou de revistas, em voz alta."

Mês Internacional da Biblioteca Escolar e Semana da BE




Em Outubro, comemora-se Mês Internacional das Bibliotecas Escolares (MIBE).
A equipa da nossa Biblioteca escolheu a semana de 26 a 30 de Outubro, para desenvolver várias iniciativas pensadas para alunos, professores e pais.
Todas as acções com alunos decorreram em estreita colaboração com os docentes de Área de Projecto ou de Estudo Acompanhado. A primeira parte da actividade consistiu no visionamento de um PowerPoint sobre o funcionamento da BE: todos tomaram conhecimento da equipa responsável, do horário de funcionamento, das zonas funcionais, dos direitos e deveres dos utilizadores e de outras informações úteis. Depois, os alunos participaram num bibliopaper, adaptado a cada ciclo. Entre pesquisas no computador, em dicionários, em revistas e noutros documentos, professores e alunos aproveitaram para (re)descobrir a Biblioteca Escolar e a Classificação Decimal Universal.
Os alunos do 9º ano também puderam ver uma apresentação denominada “A ave brilhante - uma alegoria para a resolução de problemas”, produzido por Brian Armour, do Redlands Independent College e traduzido e adaptado por Manuel Montenegro da Faculdade de Engenharia do Porto.
No dia 29 de Outubro, realizou-se a palestra, para Pais e adultos interessados no tema, "Filhos que lêem, filhos felizes".
Na biblioteca do Pré Escolar e do 1º ciclo, houve uma mostra de documentos de grande interesse para professores e educadores.
Foi uma semana muito animada, que teve como objectivo chamar a atenção, de toda a comunidade educativa, para a importância que a biblioteca escolar pode ter, no século XXI.

Dia Mundial da Alimentação




No dia 16 de Outubro comemora-se o Dia Mundial da Alimentação.
Com o objectivo de incutir hábitos alimentares correctos nos alunos, a Biblioteca Escolar e os Departamentos Curriculares de Pré-escolar/1º ciclo e de Matemática e Ciências Experimentais planificaram várias actividades.
- Os meninos do ensino pré-escolar e as sua educadoras fizeram salada de vegetais e de fruta, que comeram à hora do almoço. Também assistiram a uma peça de teatro feita pelos alunos do 8º A.
- Os professores de Ciências da Natureza e os alunos do 6º ano elaboraram cartazes com regras da alimentação saudável e construíram a roda dos alimentos, que estiveram expostos na BE. Além disso, elaboraram ementas para aplicar no refeitório da escola e realizaram um inquérito sobre os hábitos alimentares da população escolar.
- Os alunos do 6ºA e a professora de Ciências da Natureza prepararam várias actividades para os meninos do 3ºano: um jogo sobre a Roda dos Alimentos, adivinhas, uma canção sobre a alimentação e, no final, ofereceram-lhes uma maçã.
- A equipa da Biblioteca Escolar e os docentes do Departamento Curricular de Matemática e Ciências Experimentais dinamizaram o "Concurso das Sopas"(2º ciclo).
- Os alunos do 7ºB fizeram cartazes, em área de projecto, e expuseram no átrio da BE.
A equipa da biblioteca preparou uma exposição de "Ementas Saborosas", com títulos de livros e também uma apresentação em PowerPoint sobre o tema, que foi vista durante todo o dia, no átrio da BE/CRE.
Reportagem dos alunos do Clube de Jornalismo
O Agrupamento de Escolas de Castelo de Vide aposta na alimentação saudável

No dia 16 de Outubro, os alunos do Agrupamento de Escolas de Castelo de Vide realizaram actividades a comemorar o Dia Mundial da Alimentação.
Desafiando todos os elementos a praticar hábitos de alimentação saudáveis, os docentes quiseram avivar a memória (e a boca!) de todas os alunos, desde os mais crescidos aos mais pequeninos, sobre o contributo dos alimentos para se ter corpo e mente sãos. Os professores Teresa Matos, Ana Cerdeira e Carlos Caixado organizaram com as turmas dos 5º, 6º e 7º anos a roda dos alimentos exposta na BE/CRE. Os alunos, também, elaboraram cartazes, apelando aos bons comportamentos de todos os membros desta comunidade.

Os livros não se comem mas alimentam
A professora Fernanda Cunha, responsável pela Biblioteca Escolar/Centro de Recursos Educativos, em articulação com os professores de Ciências da Natureza/Naturais, elaborou ementas com livros que fizessem alusão a alimentos e hábitos alimentares, como por exemplo: “O açúcar passo a passo”e “Dietas e borbulhas”.
Promoveu, também, um concurso de sopas com o nome: “Sopa saborosa é a mais apetitosa”, alcançando a vitória os concorrentes :
Catarina Melancia Diogo, 6ºB; Bárbara Dias, 6ºB; e Ana Junceiro, 5ºB.

De pequenino...
Os meninos do ensino pré-escolar A tiveram uma grande participação na comemoração do Dia Mundial da Alimentação, fazendo uma “ super” salada de fruta com o objectivo de saber que a fruta é uma fonte de vitaminas indispensáveis para a nossa saúde. Pesquisaram, em livros, sobre os bons e maus alimentos, dando realce aos lacticínios e a importância que estes têm para os ossos; elaboraram uma pirâmide alimentar com recortes e, por fim, aprenderam quais os alimentos que se devem comer mais.
Os meninos do ensino pré-escolar B, com a ajuda da Educadora Carmo Mimoso, confeccionaram uma “super” salada de vegetais, com o objectivo de reconhecer a importância dos mesmos. A salada foi comida ao almoço e, à tarde, viram o teatro realizado pela turma do 8ºA. Este grupo-turma, na área curricular não disciplinar de Área de Projecto, redigiu o texto, pintaram os fatos e ensaiaram as falas das personagens: os próprios alimentos.

O poema de Outubro

E tudo era possível

Na minha juventude antes de ter saído
Da casa de meus pais disposto a viajar
Eu conhecia já o rebentar do mar
Das páginas dos livros que já tinha lido

Chegava o mês de Maio era tudo florido
O rolo das manhãs punha-se a circular
E era só ouvir o sonhador falar
Da vida como se ela houvesse acontecido

E tudo se passava numa outra vida
E havia para as coisas sempre uma saída
Quando foi isso? Eu próprio não o sei dizer

Só sei que tinha o poder de uma criança
Entre as coisas e mim havia vizinhança
E tudo era possível e era só querer

Ruy Bello

Frase do mês de Outubro

“A mente que se abre a uma nova ideia jamais voltará ao seu tamanho original.”
Albert Einstein
Actividades de Animação da BE/CRE
Departamento de Ciências Sociais e Humanas
E.M.R.C. - 6ºA e B

Dia Europeu Sem Carros

No dia 21 de Setembro, Dia Europeu Sem Carros, os alunos das turmas A e B, do Pré-Escolar do nosso Agrupamento deslocaram-se à nossa biblioteca. Estiveram a ver um pequeno vídeo que pode ser visto em http://www.umdiasemcarros.org/ e depois conversaram sobre o tema.
Aqui ficam algumas das suas reflexões:
"Se não houvesse carros, vivíamos com ar puro, com boa respiração." (Gustavo, 5anos)
"No filme diziam para não andar de carro, porque estavam a poluir a cidade. É melhor utilizar os transportes públicos." (Duarte, 5 anos)

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Gripe A

O novo ano lectivo chegou, com uma nova preocupação - a Gripe A.

Aqui estão algumas sugestões da Turma da Mónica para evitá-la:

http://www.youtube.com/watch?v=LiqAPwlgXIk&NR=1

A FRASE DO MÊS SETEMBRO DE 2009

“Algo só é impossível até que alguém duvide e acabe provando o contrário”
Albert Einstein

A Outra Margem - Trovante

De volta à escola... com poesia e uma reportagem

Setembro chegou!
É tempo de voltar à escola e de rever os colegas, professores e funcionários, enfim, de retomar velhos hábitos...
A BE/CRE dá as boas-vindas com poesia.

Outra margem


E com um búzio nos olhos claros
Vinham do cais, da outra margem
Vinham do campo e da cidade
Qual a canção? Qual a viagem?

Vinham p’rá escola. Que desejavam?
De face suja, iluminada?
Traziam sonhos e pesadelos.
Eram a noite e a madrugada.

Vinham sozinhos com o seu destino.
Ali chegavam. Ali estavam.
Eram já velhos? Eram meninos?
Vinham p’rá escola. O que esperavam?

Vinham de longe. Vinham sozinhos.
Lá da planície. Lá da cidade.
Das casas pobres. Dos bairros tristes.
Vinham p’rá escola: a novidade.

E com uma estrela na mão direita
E os olhos grandes e voz macia
Ali chegaram para aprender
O sonho a vida a poesia.

Maria Rosa Colaço
(Musicado por Trovante, no álbum Baile no Bosque, 1981)

Regresso às Aulas
Reportagem de Leonor Andrade e Simone Gorny (Clube de Jornalismo)

Adeus praia, adeus relax, adeus amores de verão. Olá escola!
Depois de umas longas férias, este agrupamento voltou a abrir os seus portões a alunos, professores, funcionários e pais/encarregados de educação. Repete-se o vaivém das chegadas para mais um dia de convívio e trabalho e da partida, ao final da tarde, para casa e esta movimentação rotineira só termina em Junho, aquando do término do ano lectivo. Os estados de espírito, perante mais um ano lectivo, oscilam entre o desânimo e o entusiasmo.
“Achei o regresso às aulas fixe, por voltar a estar com os meus amigos” afirmou Rodrigo Rouqueiro, salientando a escola como um local, por excelência, de encontro e de amizade. Mas deixar o ritmo a que nos habituámos durante dois meses pode ser complicado, como testemunhou o aluno André Abrantes “No princípio foi um bocado difícil, mas depois habituei-me à escola.”
Sim, é necessário interiorizar que, a partir de meados do mês de Setembro, grande parte do dia está sujeito ao toque da campainha.
Para a funcionária Lucinda Soares, que tem a escola como local onde exerce a sua profissão, “é sempre bom voltar de férias e voltar a trabalhar!”
O entusiasmo pode ser relativo, consoante as expectativas e experiências: a professora Justina Coutinho encarou o retomar do trabalho com um misto de alegria e tristeza. Alegria por voltar a trabalhar com bons profissionais e alunos tranquilos e dóceis; tristeza por continuar a estar a muitos quilómetros de sua casa.
O professor Joaquim Loução ficou “muito entusiasmado com o regresso às aulas, porque, em princípio, seria o último na sua carreira profissional“.
Para uns é bom regressar, para outros mau e para os restantes assim-assim… a verdade é que as aulas voltaram e com elas o trabalho, os TPC’s, os testes e a rotina de madrugar.
Por isso, nada de queixumes e mãos à obra!

terça-feira, 7 de julho de 2009

"A hora da partida"


O ano lectivo chegou ao fim e é "A hora da partida". É hora de descanso, de sol, de leitura, de poesia...


"A hora da partida"

A hora da partida soa quando
Escurece o jardim e o vento passa,
Estala o chão e as portas batem, quando
A noite cada nó em si deslaça.

A hora da partida soa quando
as árvores parecem inspiradas
Como se tudo nelas germinasse.

Soa quando no fundo dos espelhos
Me é estranha e longínqua a minha face
E de mim se desprende a minha vida.


Sophia de Mello Breyner Andresen
A Equipa da BE/CRE agradece a todos quantos com ela colaboraram e deseja BOAS FÉRIAS com muitas leituras!

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Estatísticas da Biblioteca Escolar - 3º Período


Nº total de requisições domiciliárias - 80

Classes (CDU) dos documentos mais consultados:

1º - 8 Língua. Linguística. Literatura. (91,2%)

2º - 3 Ciências Sociais. Educação. (13,7%)


3º - 5 Matemática e Ciências Naturais. (3,7%)

Nº de utilizadores:

Alunos – 66

Professores –
39

Não docentes – 6

Nº de requisições para sala de aula:


52 requisições, correspondendo a 129 documentos
Além dos documentos livro e não-livro, houve 50 requisições das caixas de calculadoras e da caixa de material de geometria; 97 requisições de projector, máquinas fotográficas, máquina da filmar e de rádio/leitor de CD.
“Melhor Leitor” do ano:
  • Alunos - Diogo Chaves
  • Professores - Liliana Milhinhos
  • Funcionários - Capitulina Roxo

Livro mais requisitado - Pânico nos Himalaias de Geronimo Stilton

CD mais requisitado - 4Taste

DVD mais visto - WALL.E


Fórum RBE



Foi no passado dia 26 de Junho p.p., num dos pavilhões da FIL (Parque das Nações) que se realizou o I Fórum da Rede de Bibliotecas Escolares, no qual participaram cerca de 1500 pessoas. O espaço pleno de sobriedade e bom gosto proporcionou um ambiente de festa, de reencontros, de afectos. Ao longo do dia, na voz dos vários oradores que intervieram neste Fórum, valorizou-se a sustentabilidade, construída ao longo dos últimos 13 anos, do Programa Rede de Bibliotecas Escolares. Foram igualmente perspectivados os desafios que as escolas, as bibliotecas escolares e os restantes parceiros têm e terão na construção de saberes e de uma "Sociedade Cognitiva".


Maria Teresa Semedo
(Coordenadora Inter-concelhia da Rede de Bibliotecas Escolares)

Segurança na Internet e Ética da Informação

«Em 3 de Junho de 2009, pelas 19h30, na disciplina de Cultura Língua e Comunicação (Formações Modulares), foi feita uma apresentação sobre Segurança na Internet num ponto de vista mais pedagógico, pela Coordenadora da Biblioteca desta Escola, a professora Fernanda Cunha.
É do conhecimento geral que a Internet, nos dias que correm, está enraizada em qualquer nível de ensino, com mais ou menos importância. Logo, importa referir que a informação corre o risco de ser manipulada e alterada, podendo nem sempre ser fidedigna; por isso é sempre importante haver alguém que sugira os sítios a aceder, como professores, por exemplo, verificar se os textos são de alguém reconhecido, se o sítio a que se acede tem os contactos para se tirarem dúvidas que possam existir. É de grande utilidade aceder a vários sítios sobre o mesmo tema, para se comparar dados; e não devemos só consultar a Internet, as bibliotecas também são um bom recurso.
Um aspecto eticamente relevante tem a ver com a Lei do Copyright (autoria dos produtos). De que serve copiar/colar sem se perceber o que o texto quer dizer, sem o entender? Será melhor tentar compreender e, pelas nossas próprias palavras, raciocínio e aprendizagem, redigir um texto novo - até como valorização pessoal é mais gratificante, se for esse o nosso desejo.
A Internet veio mudar a vida familiar, a vida escolar e a vida na sociedade. Com estas novas tecnologias, "quase" já não precisamos dos nossos amigos ao lado para brincar, estudar, conviver. As novas tecnologias vieram fazer com que as pessoas interajam menos umas com as outras, se isolem mais e isso é uma das desvantagens das novas tecnologias. As vantagens são uma maior oferta, quase infinita, de informação, está tudo à distância de um "clic". Importa referir que tudo tem regras e segurança e que devem ser utilizadas de forma responsável, respeitando os direitos de propriedade intelectual.»
João Paulo Ribeiro Fortunato ( aluno de Formações Modulares)

Exposição “A Ciência e a Vida” de 16 de Junho a 3 de Julho




A Ciência, a Tecnologia e a Inovação caminham juntas para o desenvolvimento e a melhoria de vida dos povos. Desde a Antiguidade Oriental, vários povos já desenvolviam conhecimentos científicos, tais como a mumificação, o uso de plantas medicinais, a acupunctura, entre outros. Muitas doenças que aos olhos dos nossos antepassados eram incuráveis, hoje são perfeitamente normais e tratadas de maneiras bem simples.
Afinal, o que seríamos sem a ciência? Quanto tempo viveríamos? Já teríamos visto a Terra, a partir do Espaço? Saberíamos como é a nossa vida dentro do útero materno? Conheceríamos o ciclo da água? Conseguiríamos ver o corpo humano por dentro? Saberíamos tanto sobre os animais e as plantas?
A BE/CRE e o Departamento de Matemática e Ciências Experimentais, cientes da importância da implementação de uma educação científica eficaz, que capacite os jovens de conhecimentos, mas também, de atitudes e valores que lhes permitam agir de forma crítica, para que se tornem cidadãos activos e intervenientes propuseram a realização da “Exposição a Ciência e Vida”.
Neste espaço, serão apresentados os trabalhos realizados por alunos de todos os ciclos de aprendizagem, das várias escolas do Agrupamento no âmbito do desenvolvimento curricular.
Obrigado a todos pela colaboração!

A BE/CRE e Departamento de Matemática e Ciências Experimentais


terça-feira, 16 de junho de 2009

Crónicas do Papagaio

De como se obtém negativa a Matemática, ou… as Tranças da Margarida!

Eu não tivera noites tão más, em adolescente, ou melhor, tivera, mas por problemas intestinais, ou dores de crescimento, não por arrufos nocturnos de namorados à saída de discotecas, ou má disposição gerada por bebidas ingeridas em excesso. Na verdade, nem me recordo de ter tido a oportunidade alguma vez de ganhar boleia dos meus pais para ir a uma qualquer discoteca à noite com os amigos. Mesmo que ansiasse o favor da corrida, não tínhamos automóvel, porque éramos pobrezinhos e humildes demais para o ter. O meu pai - operário, e a minha mãe trabalhava no campo, às tardes. No máximo, o que havia era uma Zundapp, onde o meu pai - lembro agora - me deixava sentar com o motor desligado, quando chegava da fábrica, era eu muito puto, então. Seria fatela que o meu pai me levasse de Zundapp à discoteca! Acreditem!
Não me lembro também, sequer, de ter beijado, durante esse período, ou algo mais tarde, alguma rapariga, nem em casa, nem na escola, na rua, ou no autocarro, nem debaixo da mesa, ou dentro do armário, quanto mais discutir ou fazer azedar relações fora de tempo à porta de discotecas! A Rosa foi o meu primeiro “caso“, já adulto; antes disso, nenhuma miúda me quisera para iniciar experiências amorosas, para ensaiar um beijo ou andar, sequer, de mão dada, por mais que eu o desejasse ardentemente. Era feio, e acho que continuo a ser, - sem comiserações - olhos esbugalhados, a ameaçar saltar das órbitas, lingrinhas escanzelado, pronto para virar de cangalhas ao primeiro encosto no futebol, e sem qualquer tipo de ar que timidamente fingisse uma réstia púbere de carisma ou toque ínfimo de personalidade. As golas das camisas que vestia, havia muito que tinham passado de moda; eram tão largas que pareciam abanadores em dias de calor. No fundo, eu era o que a malta hoje chama de “cocó”. Por isso, não as censuro - a elas, as raparigas! Apenas cumpriam o papel que a natureza lhes dera ; levadas pelo gosto ou pelo instinto, como quisermos, deixavam-me de lado, até porque sabiam perfeitamente que, se fossem vistas à minha beira, de mão dada ou, simplesmente, no cavaco, seriam alvo do riso e da chacota dos e das colegas. Nada de raivas!, eu teria feito o mesmo a mim próprio, tal como é de bom tom num adolescente com acne, arrogante, sectário, cínico e discriminador que se preze.
Um destes dias, num passeio costumeiro com um colega, à falta de pior conversa, ele atirou-me com esta:
- Mas de onde te vem essa má relação com a Matemática?
Levei algum tempo a reagir e acabei por enveredar por terrenos cósmicos, explicações filosóficas - que a dificuldade da disciplina…, que o comportamento nos jovens…, que a problemática das equações…, que a motivação para o estudo… enfim…
Na verdade, pensando melhor e já mais friamente, cheguei à conclusão que enganei inocentemente o meu parceiro de caminhada! Sejamos francos, as minhas negativas a Matemática tiveram origem, assim é que foi … nas TRANÇAS DA MARGARIDA, isso mesmo!!! As malvadas das tranças! E, assim, voltamos ao mesmo, – à problemática das miúdas!
A Margarida era uma trigueira reboluda, de olhos açucarados, hiper-redondos, cara abundantemente circular, de maçãs suaves e rosadas no rosto, a pedirem beijos celestes. Das tranças, essas, nem falo, só digo que me tiravam a respiração, de tão perfeitas que me pareciam!
Não tive hipótese! e apaixonei-me pela primeira vez aos seis anos! Mas não reparei que estava apaixonado, nem que as tranças dela me estavam a mudar o destino. É que a minha professora da primária entendeu que a Margarida devia ficar bem à minha frente na carteira… e foram quatro anos a adorar aquelas tranças longas, com o cabelo perfeitamente enrolado e apertado por uma mãe que eu imaginava infinitamente bondosa e carinhosa. Tranças que taparam a visão para o quadro negro, sobretudo quando lá estavam as contas de somar, dividir, subtrair ou multiplicar. Na gramática e nos textos, o problema já não foi grave, porque eu aproveitava para garatujar e treinar a prosa através de bilhetes com pseudo-frases e pseudo-estrofes secretas, que ela nunca chegou a ler. Escusado será dizer que a Margarida era muito democrática comigo, não me escorraçava, como se eu tivesse alguma doença. Até me dizia, às vezes, “olááá“! Chegava a ser quase afável ou, mesmo, ternurenta! Mas nunca me chegou a beijar… nem eu a ela. Malditas tranças, afinal, deram-me cabo da matemática, sem nenhum proveito!…
Professor Gilberto Rocha

(continua)

Visita à Exposição de "Pesos e Medidas"

aNa 6ª feira, dia 5 de Junho, a nossa Biblioteca recebeu uma visita muito especial - os residentes do Lar João Gonçalves Palmeiro Novo/ Fundação Nª Senhora da Esperança. Apreciaram a nossa exposição a D. Adriana Belo, D. Estrela Coimbra, D. Francisca Antunes, D. Josefa Martins, D. Maria José Belo, D. Maria José Reis, Sr. André Gasalho, Sr. Dimas Nunes, Sr. Egídio Roxo, Sr. João Roque, Sr. Joaquim Bugalho, Sr. Joaquim Pinela e Sr. Manuel Gonçalves, acompanhados pela monitora D. Maria João Carreiras.
Eis alguns dos testemunhos deixados pelos visitantes:
"Gostei muito da exposição, porque mostra coisas antigas. Dá valor às coisas do nosso tempo." (Joaquim Bugalho)
"Acho bem que estas coisas não sejam esquecidas, porque as pessoas novas não conhecem isto. Estes objectos devem ser apresentados aos novos." (Joaquim Pinela)
"Antigamente, trabalhei com todos estes instrumentos. O pessoal novo agora não sabe o que isto é." (Antero Gasalho)
"Gostei de ver a exposição porque me fez lembrar o meu pai na debulha de trigo, com os burros." (Estrela Coimbra)
" Já não tenho pai nem mãe,
Já não tenho ninguém.
Quando os tinha, sachava milho e feijão,
Ia regar para a horta e fazia tudo no campo,
com o sacho mão." ( Maria Josefa Martins)
" Andei a guardar ovelhas e vacas e dormia ao pé delas. Gostei muito da exposição, porque me lembrei desse tempo." (Manuel Gonçalves)
E nós gostámos muito de receber esta visita! Infelizmente, as fotografias que tirámos desapareceram.

quarta-feira, 3 de junho de 2009

Exposição de Pesos e Medidas na BE





O comércio é uma das actividades humanas mais antigas. Desde sempre, os homens tiveram necessidade de trocar os bens essenciais à sua sobrevivência. Na Idade Média, as relações humanas intensificam-se, tendo havido um incremento das trocas comerciais. Um dos maiores obstáculos ao desenvolvimento desta actividade estava relacionado com a complexidade dos sistemas de medição e capacidade que existiam, que variavam praticamente de povoação para povoação. Foram diversos os reis que tentaram a uniformização dos pesos e medidas, de modo a que houvesse um padrão que fosse único, mas só a rainha D. Maria II o conseguiu, em meados do século XIX, com a introdução do Sistema Métrico, tal como já se fazia no resto da Europa.

Esta exposição, proposta pela professora Elsa Lourenço, foi dinamizada conjuntamente pelo Departamento de Matemática e Ciências Experimentais, pela equipa da BE e pelo Departamento de Expressões/Desporto Escolar.

Enquanto estiver a decorrer a exposição, alunos, professores e funcionários poderão testar a sua condição física, fazendo o teste de Ruffier-Dickson, supervisionado pelos professores Hélder Costa e José Leandro, de Educação Física. Os resultados destes testes serão tratados nas aulas de Matemática.

Mais uma vez, se verificou uma verdadeira articulação entre as actividades desenvolvidas pela BE e as actividades dos departamentos.